Perguntas e respostas sobre a infiltração intra-facetária guiada por TAC

O que é um síndrome facetário?

A dor cervical e lombar crónica é um problema de grande importância na sociedade. Existem várias causas que podem levar à dor cervical e lombar crónica, estando os discos intervertebrais, as articulações facetárias e as articulações sacroiliacas entre as principais.
As facetas articulares são as articulações entre as vértebras da coluna. Estas articulações são como qualquer outra articulação do corpo, como por exemplo, o joelho ou o ombro, e permitem os movimentos de torção, flexão e extensão realizados pela coluna. As facetas articulares podem inflamar secundariamente à artrose, causando dor. Na coluna cervical típicamente causam dor nesta região, bem como dores de cabeça e dificuldade para realizar a rotação da cabeça. Na coluna lombar tem sido implicadas como causa de dor lombar em cerca de 15 a 45 % dos casos de dor lombar crónica, baseado na resposta a testes com bloqueio diagnóstico (block test) de acordo com critérios estabelecidos pela International Association for the Study of Pain.

 

Como é feito o diagnóstico de síndrome facetário?

O diagnóstico de dor cervical ou lombar relacionada com síndrome facetário é feito clinicamente, após a exclusão de outras causas de dor cervical ou lombar. O sintoma típico é a dor lombar crónica uni ou bilateral, que pode irradiar para as pernas, mas sem um padrão radicular, geralmente não ultrapassando os joelhos. O doente normalmente refere alívio da dor com a flexão do tronco, dificuldade em  permanecer de pé e ao levantar-se de uma cadeira, bem como agravamento da dor com a extensão do tronco, movimentos rotatórios e actividade física. A tomografia computorizada (TAC) e ressonância magnética (RM) podem ajudar no diagnóstico, evidenciando artrose nas articulações facetárias e excluíndo outras potenciais causas de dor.

Uma prova diagnóstica muito útil após a avaliação médica é a infiltração intra-facetária guiada por TAC (block test) de anestésicos e antiinflamatórios nas articulações atingidas. Se a dor cessar, a causa muito provavelmente é na articulação facetária, porém se a dor persistir o problema possivelmente tem outra origem, como por exemplo no disco intervertebral.

 

Qual é o tratamento?

Há várias opções para o tratamento da dor causada pelo síndrome facetário. O tratamento inicial implica evitar os movimentos que causam dor nas articulações, tais como torções repetitivas, bem como medicação analgésica e anti-inflamatória e fisioterapia para melhorar a força e resistência dos músculos na coluna.

Existem algumas técnicas minimamente invasivas "não cirúrgicas" que podem propiciar um alívio a dor nos doentes que não respondem ao tratamento conservador. A infiltração intra-facetária (block test) guiada por TAC de anestésicos e anti-inflamatórios é uma dessas técnicas; trata-se de um procedimento simples e de baixo custo, realizado apenas com uma agulha fina. Nos casos dos síndrome facetários crónicos, uma alternativa é um procedimento chamado de Rizotomia por radiofrequência. Existem uns nervos nas articulações facetárias cuja função é levar os impulosos dolorosos até o cérebro. Esses impulsos podem ser bloqueados através desta técnica, propiciando assim o alívio da dor, que pode durar entre 3 meses a 2 anos.

 

Que preparação é necessária?

  • Não comer ou beber durante quatro horas antes do tratamento. Poderá comer e beber depois do tratamento
  • Deverá tomar a sua medicação habitual, ou seja, todos os medicamentos que foram-lhe prescritos

 

O que acontece antes e durante o tratamento?

Será consultado antes do tratamento por um médico especialista em radiologia, que avaliará a sua dor e explicará o procedimento.

O tratamento será realizado num equipamento de Tomografia Computorizada (TAC) que permitirá guiar com grande precisão a agulha e desta forma garantir que a infiltração é feita no local pretendido. 

 

Quanto tempo demora o tratamento?

O procedimento todo demora cerca de 10-30 minutos.

 

Como posso saber se a infiltração intra-facetária guiada por TAC é apropriada para o meu caso?

Deverá conversar com o seu médico assistente ou marcar uma consulta com o médico radiologista de intervenção que o ajudarão a decidir.